Nenhum comentário


Android Studio – Parte II

No artigo anterior, conhecemos um pouco sobre o Android e a ferramenta gratuita (Android Studio) para desenvolver aplicativos. Neste artigo, vamos continuar mostrando dicas de desenvolvimento de aplicativos Android usando a ferramenta.

Nova versão

Conforme box no artigo anterior, uma nova versão foi disponibilizada para o Android (versão 0.6.1). Na criação desse artigo, uma nova versão foi disponibilizada (e será usada neste artigo). Essa versão não atualiza pela ferramenta, é necessário fazer o download de um arquivo zip, no endereço: http://tools.android.com/download/studio/canary/0-8-1

Essa versão não possui instalador, basta descompactar o arquivo zipado em uma pasta e executar o arquivo studio64.exe que esta na pasta bin. A primeira tela é igual a versão anterior. O wizard do New Project que tem diferenças. A principal fica no tipo de projeto a ser criado (Figura 1).

 

Figura 1. Tipos de projetos que podemos criar

Vemos os vários tipos de projetos que podemos criar: telefones e tablets, TV (Google TV), Wear (relógio) e Glass (óculos). Nossas possibilidades aumentaram bastante. As outras opções são as mesmas mostradas no artigo anterior (escolha de template, tela inicial do aplicativo e finalização).

Criamos no artigo anterior um projeto com o template Navigation Drawer Activity, agora veremos como é a estrutura do projeto. Temos na Figura 2 a IDE da nossa ferramenta.

  

Figura 2. IDE do Android Studio

Ela é semelhante a qualquer IDE de desenvolvimento. Possui um treeview com as pastas e arquivos do projeto, uma área de design (que muda de acordo com a necessidade, pois podemos modificar diretamente o XML) e uma tela de propriedades, além de outras funcionalidades.

Vamos conhecer um pouco mais das janelas e funcionalidades do Android Studio.

Conhecendo o IDE

No lado esquerdo, temos a janela Project, onde podemos visualizar as pastas e arquivos do projeto (Figura 3). 

 

Figura 3. Janela Project do Android Studio 

Nessa janela que acessamos os arquivos do projeto. Outra janela muito importante é o de design, onde podemos arrastar os controles para a tela do device (Figura 4).

 

Figura 4. Janela de design do projeto

Essa janela só é mostrada, quando estivermos editando um arquivo de layout (XML). Na parte inferior, existe uma aba chamada Text, ao clicarmos o editor muda, para podermos editar diretamente o arquivo XML de layout (Figura 5). 

Figura 5. Editor de XML para o design

Na barra de botões nos dois modos de design, podemos simular outros tipos de devices, assim, nossa tela se adapta para o tipo de equipamento escolhido (Figura 6).

 

Figura 6. Adaptando o preview para o tipo de device que iremos programar 

Na Figura 6, temos o preview no modo paisagem (landscape) e as várias opções de simulação de equipamentos no preview. O Android Studio possui o Gradle que é um sistema de automatização de builds e dependências do projeto. Com o Gradle, para adicionarmos uma biblioteca ao projeto, basta fazer a referencia a mesma, sem precisar adicionar arquivo .JAR manualmente.

Gradle também possui um módulo de testes para configurarmos testes para o projeto, incluindo bibliotecas e outras dependências. Algumas opiniões sobre o Gradle reclama da sua demora para inicializar o projeto. 

Na internet, temos dicas de como desabilitar a funcionalidade, deixando assim o build do projeto mais rápido. Não testei nenhuma dica, então, deixo a critério do leitor fazer os devidos testes.

Arquivos e pastas

Vamos conhecer agora, um pouco mais sobre os principais arquivos e pastas do projeto Android. Na Figura 7 temos os principais arquivos e pastas. 

 

Figura 7. Arquivos e pastas mais importantes 

A pasta Java, contém as classes que vamos usar em nosso projeto. Os arquivos ficam sempre dentro de um pacote (nesse caso, com.example.luciano.myapplication1). A pasta res é sem dúvida a que concentra os arquivos mais importantes, de layout, imagens, resources etc.

Note que temos quatro pastas com as iniciais drawable. Como falamos no artigo anterior, o Android tem quatro tipos de tamanhos de arquivos de imagens. Colocamos as imagens de acordo com seu tamanho nas diferentes pastas.

A pasta layout contém todos os arquivos XML referente às telas do projeto. Clicando sobre qualquer arquivo nessa pasta, o editor com o preview é apresentado. A pasta menu, possui arquivos XML para a criação de menus na aplicação.

Ao clicar em um arquivo, o editor é apresentado, também com um pequeno preview de como será o menu (aproximadamente). Veja o editor na Figura 8.

 

Figura 8. Editor com preview do arquivo de menu

A pasta values, armazena arquivos XML de resources, estilo e tamanho do equipamento. Podemos colocar strings diretamente no código, mas o correto é usar o arquivo string.xml para criar resources e usá-lo a vontade no projeto.

Veja no código a seguir, como á a formatação desse arquivo:

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>

<resources>

   <string name="app_name">My Application 1</string>
  <string name="title_section1">Section 1</string>
  <string name="title_section2">Section 2</string>
  <string name="title_section3">Section 3</string>
  <string name="navigation_drawer_open">Open navigation drawer</string>
  <string name="navigation_drawer_close">Close navigation drawer</string>
  <string name="action_example">Example action</string>
  <string name="action_settings">Settings</string>

</resources>

Vimos que a estrutura é de um arquivo XML simples, com as chaves para o nome da string e o seu valor. Podemos também, com o uso de arquivos XML de resources, internacionalizar nossa aplicação. Basta criar outros arquivos de resources, no código adicionar algumas linhas de código para que a aplicação fique traduzida no idioma que queremos.

Rodando o projeto

Quando criamos um projeto e escolhemos um template, muito código é criado para a aplicação. Se rodarmos a aplicação agora, o projeto será executado normalmente (no device ou emulador). Aperte o botão semelhante a um play na IDE e execute o projeto. 

Nota: existe uma reclamação que o IDE do Android Studio é lento, então pode ser que a execução do projeto, demore.

Será aberta uma janela para que você escolha o device que esteja conectado ou um emulador (Figura 9).

Figura 9. Janela para usarmos um device ou emulador para rodar o projeto 

Ao executar o projeto, temos o resultado mostrado no device (Figura 10).

 

Figura 10. Projeto rodando o aplicativo 

Também podemos usar o emulador para rodar a aplicação (Figura 11).

Figura 11. Projeto rodando no emulador

A aplicação é bastante simples e comum hoje em dia. Temos uma barra lateral com opções (Section 1, Section 2, Section 3). Ao escolher uma opção será mostrada uma tela com a opção desejada, indicada na barra superior.

Claro, isso é apenas um exemplo, para uma aplicação real, devemos codificar e mudar tela, em vez de apenas um label. E faremos isso no próximo artigo, onde mostraremos como codificar uma aplicação Android.

Conclusões

Vimos neste artigo como funciona a IDE do Android Studio. Conhecemos suas funcionalidades e janelas para nos situar na criação de projetos Android. No próximo artigo, conheceremos um pouco mais da lógica do nosso projeto e conheceremos controles de tela. 

Um grande abraço a todos e até a próxima!